quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O terceiro monstro


Os jargões estão todos lá, nas páginas da rede social. E são tantos, que às vezes penso não conseguir inventar frase alguma: elas já existem, basta que acessemos o Google... Refiro-me àquelas frases que nos alertam de que nem tudo o que reluz é ouro,de que as pessoas nem sempre são o que parecem ser, etc.

Envelhecer – melhor diria, saber envelhecer – trouxe-me alegrias incontáveis. Eu mesma me surpreendo, quando percebo ter “previsto” acontecimentos, resolvido conflitos, aproximado corações (É, até isto ando conseguindo ultimamente!)...  Apenas uma garotinha chamada Eduarda tem me dado algum trabalho neste aspecto, suspirando por um tal de Gabriel, e esquecendo-se do meu Antônio...

Antônio é a alegria da minha vida. Deus, conhecedor do meu calendário, previu que chegando perto dos quarenta anos minha espontaneidade se findaria, e teceu meu filho. Ou melhor, desenhou a pincel – como costuma dizer o pai – aquele rostinho que me confiaria. Obrigada, Senhor!

Para que eu soubesse educar meu filho e ver atingido meu objetivo de que ele seja no futuro (que é todos os dias) um ser humano de verdade, Deus apresentou-me as ovelhas e os lobos. E apresentou-me, também, as ovelhas travestidas de lobos e, ainda pior, os lobos que se travestem de ovelhas. Quando se é criança, ovelhas e lobos são companheiros das fantasias. Confundem-se, com direito à troca rápida de personagens, e ao que é mais gostoso, inerente em toda criança: têm seus direitos garantidos ao arrependimento. No fim das histórias infantis, tudo é ovelha, e berra bonito, e pasta em um campo verde de dar inveja!

Na adolescência, nos limitamos a julgar as ovelhas pelos seus atos de lobo: quando nos tomam os namorados, quando colam da nossa prova, quando põem na gente a culpa por algo que não fizemos. Ovelhas-lobos nos oferecem o lado de fora da escola, e algumas mais ousadas um cigarrinho, “só pra experimentar”... Na adolescência, a gente teme essas ovelhas. Há até quem se entregue a elas – por querer viver vida de lobo! – mas ciente dos perigos, embora sejam eles mesmos que seduzam...

Mas quando você começa a passar dos quarenta anos, qualquer lobo descoberto sob o manto de lã branquinha é uma surpresa, uma decepção. E hoje, um lobo nojento, fedido e desdentado apareceu para mim. E numa ovelhinha tão carinhosa eu descobri habitava o terceiro monstro.

Terceiro monstro é forma de expressão (achei bonito para usar como título do texto), seria pretensão minha dizer a você que Deus reservou para mim apenas três deles. Não, por muitos já passei, já revelei vários! Mas acho que é a terceira vez que escrevo sobre isto aqui na minha página-escape, daí a preferência pelo título.

Monstros não têm lugar no altar do Deus Todo Poderoso, ainda que vivam com seus joelhos dobrados ao chão. Não. Eu creio num Deus fiel. Vá procurar o significado da palavra fiel, vá:

Que guarda fidelidade, que cumpre seus contratos: fiel a suas promessas.
Constante, perseverante: amigo fiel
.”

É possível até sentir o peso da responsabilidade de tamanho adjetivo, não é?

Quanto pesa um lobo?

A espada atravessou meu coração novamente, e creio que, no auge dos meus quarenta e quatro anos de idade, ainda haja bastante espaço para perfurações no meu coração. Portanto, recebo a punhalada, e entrego-a nas mãos do Deus fiel a quem amo. E louvo, e agradeço, porque sei o quanto aprendo com essas descobertas. É menos um disfarçado, mais um de quem devo manter-me afastada.

Meu ventre abençoado deu à luz Antônio. Aquele menino doce, de olhos de jabuticabas; aquele menino esperto, questionador, inteligente, saudável; aquele menino sorridente, de bochechas coradas e sorriso inconfundível veio ao mundo porque Deus quis que ele viesse, e mais: Deus quis que ele conhecesse a vida através de mim!

Sim, foi esta Karla atravessada que gerou Antônio por nove meses, e foi no meu seio que ele se alimentou. Foi sob meus cuidados que tomou forma de gente, foi sob meus abraços que sentiu-se protegido. Foi no meu colo que chorou seus medos, suas dores... Suas madrugadas com cólica foram compartilhadas comigo, e muitas vezes meu carinho em sua barriga acalmou suas inquietações. Uma Karla atravessada foi-lhe companheira, sustento, referência. Seus banhos de sol foram ao meu lado, seus primeiros sustos na lagoa também. O encontro com a água salgada, com a areia no corpo... Suas dores das vacinas foram controladas no meu peito, bastei-lhe fome, sede, febre, solidão...

Assim, Antônio foi crescendo, e hoje é o meu melhor amigo. Estamos juntos, na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, cada um com a sua responsabilidade de existir, para que o outro sobreviva. Simples assim. Uma bênção que Deus ousou nos conceder: um, ao outro.

Eu só sou feliz porque tenho meu filho do meu lado da cama todas as manhãs quando acordo. Ele encosta os cílios nos meus, me diz “bom dia” e me convida à guerra de “cosquinhas”... Não seria, nunca, feliz sem isto. Como pude um dia pensar que havia sido?... Nada se compara a este sentimento. Nada! E isto, isto que chamam de amor, é o que abate qualquer tipo de lobo que se atreva a infiltrar-se como ovelha. Não há lugar no trono do Pai para terceiros monstros, como haverá lugar perto de mim?

Expulso está do meu convívio aquele que se fez passar por amigo sem honrar esta palavra. Fiel é Deus. E Ele nada me cobra, não me ofende e, se me julga, o faz com o direito que tem de fazê-lo, posto que me deu a vida, esta vida abençoada agora infinitamente porque via de acesso à de Antônio.

Eis o que há, de verdade. Um casal de amigos dividindo o espaço da casa de muro verde de Iguaba. Eu, aprendendo todos os dias, com um professor de um metro e trinta centímetros. Ele, aprendendo todos os dias, com uma professora de um metro e sessenta e oito. E não há instrumento que meça o grau de amor que preenche aquela casa quando estamos lá dentro. Meu juízo educa aquela criança. Tenta ensinar-lhe o bem, o mal, o belo, o feio, o certo, o errado, consciente de que ele precisará viver tudo isto para aprender. E meu juízo já lhe adiantou que viver dói, e ele já ensaia sentir as dores: o tombo da bicicleta avisa que é chegada a hora de aprender a pedalar, a picada da agulha da vacina lhe previne a doença, e o coração, que também dói por ver a Eduarda sorrindo pro Gabriel, lateja enquanto o novo amor não lhe faça esquecer a menina do laço de veludo vermelho. O que passa disto é mentira, é juízo de um lobo-humano, portanto, não vem de Deus.

Sigo com Ele, com Deus. Com Ele aprendi sobre fidelidade. Aprendi que na mesma medida com que julgar o outro serei eu também julgada. Aprendi que a quantidade de monstros passa de três, o que me faz crer que outros textos virão. E, sobretudo, cresci ouvindo Dona Vanda me dizer, enquanto escolhia o arroz do almoço, que todo mundo tem um telhado de vidro em casa...

6 comentários:

  1. E o telhado será, para quem julga, a maior e melhor sala de aula. Seguindo em frente de cabeça erguida aí garota, que sei que tem, e faz jus! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desta vez não será sala de aula não...
      Obrigada pela força, Rita! ;)

      Excluir
  2. Existem muitos lobos em pele de cordeiro mas, Deus é fiel para nos mostrar todos eles. Confia Nele e a vitória virá.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. "Não subestime os outros, nem os idolatre demais. Seja educada, mas não certinha. Não minta, nem conte toda a verdade. Dance sozinha quando ninguém estiver olhando. Divirta-se enquanto seu lobo não vem."
    Martha Medeiros
    Força Amiga...Bjs!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simples assim, não é, minha amiga? Rs.
      Obrigada! :)

      Excluir