sábado, 24 de novembro de 2012

O Deus de todo mundo – um testemunho.

(Desta vez, uma oração. E vocês a farão comigo. Deus vive, reina, opera milagres, cura... E está no meio de nós! E Ele me pediu para deixar claro que não estou falando de religião, mas de um Deus de todo mundo...)



Passo pouco por aquele caminho. Vejo pouco aquela casa. A da foto. Mas hoje minha intenção foi justamente publicar a foto aqui. Para que a emoção de vê-la tome minha alma de tal maneira que tudo o que eu consiga escrever aqui seja emoção.

Eu pensei em começar por várias partes, este texto de hoje. Desobedeci ao coração, preguiçosa que estava de me levantar da cama às cinco da manhã, hora em que ele me acordou, pedindo-me para vir até aqui. Virei de lado, ajeitei o travesseiro, fiz um carinho na testa de Antônio e “esqueci”. O cansaço do corpo venceu a batalha, e novos sonhos tomaram minha mente: “depois escrevo”...

Mas os sonhos foram todos os mesmos: várias maneiras de eu escrever o texto. Não adianta eu negar. A inspiração não é minha, é de Deus. E Ele hoje esteve ansioso, porque sabe que vou escrever para Ele, sobre Ele, por Ele, em gratidão a Ele... Daí a Sua pressa. Às vezes eu e Deus temos esta intimidade, que pode parecer estranha a você...

Agora que estou certa do caminho a tomar, começarei a contar uma linda história de Amor de Deus por nós.

A casa velha, de madeiras brancas e azuis acolheu um grupo de amigas que se formou em 2000. Ainda hoje posso fechar os olhos e relembrar meus passos pelos cômodos da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Iguaba Grande (sim, era lá!), com riqueza de detalhes, até chegar ao que ficava no final do corredor. Uma mesa grande, de madeira com fórmica amarela, cadeiras revestidas do mesmo material e, sentadas para uma reunião, as pessoas que mudariam minha vida por completo: eu estava chegando para completar a equipe de Inspeção Escolar de Iguaba Grande, que contava com Nilza Alberto, Cláudia Lacerda e Herminia Simões. Dias depois, apresentadas à Madalena, o amor ficou estabelecido naquela amizade que ninguém explica, mas que se deu no primeiro dia do nosso encontro.

Até que ficamos pouco tempo juntas, as cinco. Tendo chegado em ano de final de gestão, os nossos destinos tomaram rumos diferentes. Sim, já era plano de Deus, e é aí que a gente erra quando reclama das separações que vão acontecendo ao longo do nosso caminho. Errados estamos quando nos queixamos, ao invés de agradecer. Deus nos separou, mas antes não havia nos unido? Não nos abençoou com seu Amor infinito? Não nos deixou com a certeza de que aquela amizade seria para sempre? Já não mais Lhe restando dúvidas, deu-nos os caminhos a trilhar, sabedor de que em nossos corações levaríamos, onde quer que fôssemos, cada uma, em lugar especial.

Hoje, olhando para trás vejo que doze anos se passaram. Na metade deste tempo, dois fatos marcantes, inesquecíveis: Madalena nos deixou, e Herminia adoeceu.

Madalena foi-se, sem nos pedir permissão. Presença arrebatada, de um dia para o outro, sem direito à despedida, sem direito a pedirmos a Deus por sua vida. Ele a levou, certo de que se viesse Ele mesmo à terra para pedir-nos para levá-la diríamos “não”, com todo o egoísmo existente no coração daquele que ama o outro. “Não, não a leve, Senhor, não a leve jamais, não a deixe morrer nunca!”, diríamos loucas, humanas, sem querer enxergar o óbvio: todo mundo vai um dia. Eu sempre digo que Deus nos empresta as pessoas, e vem buscar quando quer. Assim, Madá deixou o grupo, o nosso grupo, e foi ter lá com o Senhor Deus, foi contar do tão curto período de tempo que passou aqui...

Enquanto Antônio nascia e Madalena nos deixava, Herminia adoeceu, seriamente. Esta história já narrei por aqui, num texto que leva o nome dela.

Mas eu vim até aqui para falar de alegria, não de tristeza... Deus me quer testemunho hoje, não tem jeito, Ele não vai me dar sossego se eu não disser a você que Ele existe, vive e reina, e é o Senhor. Opera milagres por aqui, como na Terra Santa...

Temi, sofri, chorei por Herminia. Deus é bom, piedoso, e sabe que sou humana. Nas minhas orações, pedi infinitas vezes por ela. Mas por muitas vezes me deixei abater pelo desânimo, pela descrença...

Até que um dia – há uns três anos atrás – Deus soprou nos meus ouvidos aquilo que se tornou um momento inesquecível: vinte e duas pessoas diante de uma mesa, com seus olhos fechados, entregaram a Ele um sacrifício a ser cumprido em sete dias, em agradecimento à cura de Herminia.

Em nossa oração conjunta – com direito à presença do próprio Deus! – pedimos pela cura de Herminia, cientes que estávamos de que a obra do Pai seria completa, não nos limitamos a pedir somente a sua melhora.

Aqui é chegada a hora de minha confissão. Eis o que Deus quer que eu registre: que por muitas vezes apressei-Lhe, cobrando a resposta ao meu sacrifício... Que todas as vezes que estive com Herminia perguntei intimamente a Deus se havia se esquecido dos pedidos à mesa, aquele dia... Que por outras tantas imaginei que Ele não nos atenderia. Culpei-me, achando que não seria a pessoa certa a liderar a oração, cheia de pecados que sou.

Pois bem, Deus bateu em minha cara, ontem. Com as mãos mais macias deste mundo, bateu em mim com um papel pequeno que, chegando-me pelas mãos de Herminia, me dizia que ela estava de alta médica, e que muito brevemente retornaria ao trabalho.

Herminia está curada.

Não foi curada naquela tarde após o almoço. Não foi curada durante a semana em que fiz o sacrifício, do qual hoje até me envergonho, diante da equivalência... Não foi curada no meu tempo. É de Deus o tempo. Ele cura no tempo dEle.

Ainda mais ousado – absurdamente ousado, eu diria, agora! – Deus me inspira a escrever também isto:

Certamente, a opção pela cura de Herminia não adveio somente daquela pequena reunião de vinte e duas pessoas, num determinado dia, num determinado almoço. O propósito de Deus hoje é dizer a você que Ele vive, reina e opera milagres: Deus cura! E vou escrever mais: naquela mesa, naquele dia, cada um pensou num Deus diferente... Ninguém selecionou aquele grupo de amigos pela opção religiosa de cada um. Quando os olhos se fecharam, várias formas de Deus foram visualizadas, e para impressões diferentes de Deus o pedido foi feito. Ali esteve presente, o Deus de todo mundo...

Esse Deus ouviu-nos o coração, e é isto o que Ele está me dizendo agora. E, se curou Herminia em troca ou não do meu ou do seu sacrifício, importa que pensemos seriamente no que nos dispusemos a fazer àquela época, porque aquilo agradou a Deus. Não especificamente o que fizemos, mas a fé que nos levou a fazê-lo.

Numa época em que as pessoas estão defendendo seus princípios religiosos derramando o sangue do seu próximo no chão, Deus quis vir até aqui para dizer que nossas ações estão sendo observadas, e que é por elas que nosso julgamento se dará. A cura não é só de Herminia. Hoje acordei diferente, e tenho certeza de que as pessoas que aos poucos vão sabendo de Herminia, acordarão diferentes também. Porque também estão sendo curadas. Cada um, em sua intimidade, saberá do quê.

Quando Deus me trouxe pra cá, e me apresentou aquela casinha de madeira, foi com a intenção de que eu vivesse o que estou vivendo hoje: o testemunho daquilo que dizemos, que cantamos por aí, mas que nem sempre nos damos conta, verdadeiramente: que Ele vive, reina, cura e, o que é mais emocionante: está no meio de nós!

Eis uma linda história de Amor do seu Deus com você. Que tal agradecer?

12 comentários:

  1. Para DEUS não há impossível!!! Ele nos faz crer no invisível e a cada dia devemos agradecer !!! Lindo texto , linda oração !!! Saudades eternas da nossa querida Madá !!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, Talita! Muito bom vê-la por aqui! :)

      Excluir
  2. Uma linda história de amor com aquelas 22 pessoas. Uma linda história de amor com todos e todas que entregam sua vida a Ele. Hoje agradeço a Deus por três fatos: a cura para a Hermínia, o dom que Ele te deu, Karla, para usar tão bem as palavras e a oportunidade de ler esse texto testemunho.

    ResponderExcluir
  3. Essa é a verdadeira cura, amor ao próximo. As 22 pessoas presentes no primeiro encontro e nos outros e outros criamos uma verdadeira História de Amor por Hermínia, pessoa essa merecedora de todas as bênçãos que possam existir. Obrigada Senhor!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, obrigada!!! Viveremos o resto dos nossos dias agradecendo!!! Obrigada, Senhor!

      Excluir
  4. Lindo testemunho de amor a Deus e aos seus amigos. Fico feliz por ter participado do grupo de 22 pessoas, que se reuniu pelo carinho imenso por Hermínia.Isso é indiscutível.
    Deus é maravilhoso e só Ele cura. Todos os dias Ele nos dá sinais de cura, graças, bençãos e milagres em nossas vidas.
    As pessoas especiais que aparecem em nossos caminhos, com certeza é a presença viva de Deus em nossa vida.
    Por isso todos os dias não podemos esquecer de agradecer a Deus por todas as pessoas que aparecem e dão um sentido muito especial na vida de todos nós.
    Sentir a presença de Deus é algo que não dá para explicar.
    Deus seja louvado pela cura!!!
    Beijos para você e Hermínia.

    ResponderExcluir
  5. Que o nosso Deus para sempre seja louvado, e que saibamos entender e aceitar quais são os seus propósitos, em nossas vidas.

    ResponderExcluir
  6. Karla, que belas palavras, que linda declaração de Amor à Deus, pois só Ele, sabe exatamente o momento certo para tudo. É só confiarmos que a Graça chega...Parabéns amiga pelos seus belos textos, enebriam nossas leituras, leva-nos à reflexão sobre coisas, pessoas, momentos e sobretudo posturas...Continue assim!

    ResponderExcluir